sábado, 7 de abril de 2012

Perdi a conta

Todas as vezes que me desculpei dos teus erros, que magoem a minha pele à procura de algum alivio, de tentar sair do escuro e respirar verdadeiramente algum ar puro, algo não estava certo. Ninguém deixa a pessoa que ama levar com as culpas de si mesmo, não deixes a pessoa que amas cravar com uma faca a inicial do teu nome na pele, não deixes a pessoa que amas entrar no escuro caminho da dor sem a puxares para fora, se amas uma pessoa faz isto um lema de vida: Não deixes que a pessoa que amas morra por dentro, não deixes que ela fique destroçada quando não a amares mais. 

Eu... perdi a conta do tempo em que culpei-me dos teus erros, perdi a conta das vezes que passei uma faca no meu braço para sentir o alivio de sangrar, perdi a conta das vezes em que a escuridão foi minha companheira, também perdia a conta de quantas vezes o ar que respirava não era o suficiente para me manter viva. 
Devo-te nada, odeio-te nada, mas ao fim do dia amo-te com tudo.

Sei que a humanidade é um poço de egoísmo nojento e repulsivo, mas há sempre alguma alma que se levanta deste mundo nojento e faz algo de bom pela pessoa que ama. Resta saber se tu queres ser uma delas. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Isto é como no Face é só meter GOSTO (!) :b