sexta-feira, 8 de novembro de 2013

A Terra Dos Adultos.

Muitas definições já foram postas à prova por mim ao longo dos meus escassos "quase 20 anos", eu sei que o fim da adolescência tem o modo de operar diferente, mais complexo mas, muito eficaz de arrasar com toda a réstia de pensamento coerente. Há dias que ainda não sei o que estou a fazer com a minha vida, quais são os planos, o procedimento e isso assusta qualquer pessoa mas particularmente, o meu ser criativo e permanentemente danificado.

Posso ser critica e muito sintética sobre tanta coisa, menos o que eu quero fazer com a outra parte da minha vida, aquela parte que tenho tentado evitar tantas vezes. Não quero aceitar que estou a caminhar lentamente para "A Terra dos Adultos", a terra em que todos os sonhos que tens para ti se tornam irrealidades permanentes. 

Eu sei que estou a dramatizar, mas que mais posso fazer do que entrar em pânico e ter um bloqueio mental. 

A pouca (ou nenhuma) criatividade pode ser um problema.

Criatividade não corre nas veias, durante muito tempo a inspiração para mim eram sentimentos tristes, ou comportamentos mal interpretados. Mas há momentos em que a minha vida estagna e a inspiração e criatividade vai embora, podem passar meses sem conseguir escrever uma frase que faça sentido ou que seja boa o suficiente para partilhar com quem lê. 

Essa fase sem criatividade não é uma fase em que a minha vida está bem e organizada, mas sim um paradoxo de horas para dias e dias para meses, chego a ponto de perguntar se continuarei a escrever. Não tenho vontade, não tenho assunto e principalmente não tenho questões ou indignações  apenas uma calma forçada pelo meu subconsciente.

Mas como tudo tem um fim (e ainda bem), o meu mundo começou a girar novamente e para variar o seu eixo esta mais baralhado que nunca.