domingo, 30 de setembro de 2012

Histórias Aos Pedaços.

A minha vida reflecte no meu trabalho, ou pelo menos tem reflectido. Estive a passear pelos documentos que tenho no meu computador e cheguei à triste conclusão que tenho montes de histórias e contos que gostava de acabar, mas quando me sento para continuar aquilo que deixei a meio, não consigo. Não me sai uma linha de jeito. 

Já para nem falar no meu livro, aquele que ando à um ano e meio a tentar acabar e nem o fim lhe avisto. Podia jurar que o meu blog é uma plataforma fantasma, em que ninguém me dá uma opinião, porque sem um leitor eu nunca vou ser escritora. 

A minha única opção é continuar a tentar.  


sábado, 29 de setembro de 2012

Bedside Thoughts #5

Estou preocupada com uma pessoa que é importante para mim, inquieta porque não sei o que esperar do mundo neste momento e muito sonolenta porque fui sair ontem e o meu corpo não lida bem com bebida e afins. Quero um livro para ler mas ainda não tenho dinheiro para pagar um o que me deixa irritada ou seja só mais um agradável sentimento para juntar à lista ... 

É impressão minha ou eu hoje estou a sentir demais. Interessante. 


Musica de hoje:
Sam the Kid  "Lamentos"

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Bedside Thoughts #4

Finalmente está a chover e estou na minha zona de conforto, o Inverno. Começa o frio, começa o meu corpo a aceitar e a drenar todo o mal que o Verão me fez, agora posso dizer que me sinto em casa e que ninguém me pode deixar mal, porque agora quem manda em mim sou eu. E com a ajuda da chuva tudo me parece fácil de vencer. 

Vamos ser realistas,  vida é demasiado cruel e explicita, só no Inverno é que isso tudo parece normal. 


A musica  que me inspirou  hoje 
Ellie Goulding  "Don't Say  a Word"

domingo, 23 de setembro de 2012

Bedside Thoughts #3

Não lutes com os teus instintos, nunca. Tu vais perder, e contigo tudo aquilo que tu alguma vez desejaste. Confia em mim, eu sinto o pesar por ter lutado com os meus, e como era de esperar perdi. Tu és aquilo que és, e por mais que te oponhas ao teus instintos eles vão simplesmente derrubar tudo o que esteja há frente para vencerem.

Cede enquanto ainda podes ou a próxima paragem é a loucura.


Escolhas.

Todos dias levanto-me para uma luta diferente, para viver outro dia, para respirar, para tentar ser feliz. E todos os dias há sempre o mesmo sentimento, o medo de ter feito algo errado hoje que possa reflectir no amanha. Será que há alguém no mundo que possa entender o que eu sinto? Ninguém? 

Tive um professor que um dia me disse que se escolhemos um caminho é como fechar a porta aos outros que havia em escolha, nunca fiz caso do que ele disse, mas agora há um sabor estranho na minha boca que prova que ele tinha razão. O sabor de escolher e nunca saber o que haveria para alem disto.

Escolher é a segunda palavra que mais odeio. 

A primeira nem irei prenunciar..


sábado, 22 de setembro de 2012

Bedside Thoughts #2

Nós vimos o mundo a sofrer, nós choramos porque sofremos, nós vemos pessoas que amamos a sofrer, ninguém nos perguntou se queríamos estar aqui, se queríamos ver a dor no rosto dos outros. Não sei quando a vocês mas devíamos ter escolha, afinal são os nossos sentimentos que vão ser postos me jogo.

Apenas não acho justo, mas deste quando é o Universo me ouviu.

sábado, 15 de setembro de 2012

I will be with you forever.


Tenho saudades… tenho saudades de tudo. De quando estávamos bem, de quando me abraçavas e me deixavas ficar nos teus braços até me recompor da tempestade que estava a acontecer dentro de mim. A principio era tudo tão diferente, tudo tão vivo e agora é assim, distorcido e roído pelo tempo, pensei que ias estar comigo para sempre, que ias ficar e impedir o meu mundo de ser deitado abaixo pelas circunstancias.  

Sonhei contigo ontem.

Sonhei que estávamos juntos novamente, ainda doí teres ido embora. Por muito tempo eras tudo aquilo que queria, tudo aquilo que eu amava, queria que tudo fosse prefeito, especial e único, queria apresentar-te o meu mundo. Mas demorei muito tempo, acreditei que tu sabias esperar.

A verdade é que foste embora sem uma única palavra, e eu que tinha montes delas entaladas na garganta, só estava a arranjar maneira de dizê-las. Não há nada que possa fazer para explicar o quanto és importante para mim, e agora tenho mesmo que deixar-te ir. 

Toda a minha vida esperei por ti, esperei para dizer todas as coisas que não tive coragem de dizer, pensei que ia ser uma fraca, mas como não as disse elas corroeram as minhas barreiras e atingiram-me.

Agora a única coisa que me resta são as memórias de tempos antigos. 


texto: Raquel Calvalho
Inspirado  pela musica :
"I Will Be" by Avril Lavingne

domingo, 9 de setembro de 2012

Tubos Vocais e As Complicadas Maneiras Do Seu Uso!

Se eu fosse um ser normal falaria pessoalmente contigo sem ter que escrever , mas não sou. Os meus tubos vocais não sabem funcionar sem destruir algo, é me impossível dizer algo que eu sentia em voz alta sem que isso me seja pedido especificamente pela pessoa que nutro o sentimento em questão. Nunca foi, e por mais que queria mudar certos aspectos em mim, isto eu não consigo e só Os Deus Antigos e Novos é que sabem o que eu tentei.

Engraçado como há uns dias atrás eu estava bloqueada, não conseguia nem exprimir ou a falar ou a escrever o que raio se passava dentro da minha cabeça, quando os meus perguntavam se estava bem e a resposta era um murmúrio: "sim está tubo bem" e uma inevitável vontade de esmagar algo, para não falar que estes meses tem sido como se a barragem do rio que são os meu olhos rebentasse e eu tivesse que tirar a extra agua que neles estavam.

Conclusão, estou farta de disser que estou a tentar e pelo uma vez na vida não ser tão cobarde para ver se ganho algo.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Bedside Thoughts #1

Está é a história que toda a gente conta ou ouve contar pelo menos uma vez na vida. Estás palavras é aquilo que os nosso bisavós já diziam aos nosso avós e os nosso avós aos nosso pai. E todos eles diziam as mesma palavras: 

"A única coisa que temos de certo na vida, é que vamos morrer."


O Inverno está a chegar


Abrir uma pagina nova não apaga todas as outras escritas com sentimentos negro e profundos, apenas é aquilo que é, uma pagina nova e em branco que com letras a profano, com pensamentos, sentimentos esquecidos e também os lembrados, com devaneios e perguntas que da minha boca nunca irão sair mas que a minha cabeça e racionalidade irão responder assim que a vida me ensinar a responder. Não sei se ajuda ou se piora o que sei com certeza sobre a minha escrita é que pode faltar a palavras, pode faltar as páginas e a tinta, mas a minha mente nunca irá acanhar-se nem proibir que os meus pensamentos atormentem o meu sono.

Um Verão veio e um Verão esta prestes a ir, não sei se deva rir ou chorar porque foi o Verão em que me ia matando, o Verão em que chorei as minha lágrimas mais sentidas, o Verão que me mostrou quem deve estar ao meu lado e o Verão que me deitou ao chão. Mas agora vem ai a chuva, vem ai o frio e vem ai a escuridão, algo com quem eu estou familiarizada, chegou a minha altura do ano.

Perdi a cabeça ao 18 e espero sobreviver ao resto do ano como? Trancada no meu quarto, chorar por uma doença que é alimentada disso? Eu penso que falhei sem sequer ter tentado. Eu vou voltar a ser o que era, um soldado e marchar sem descansar até estar congelada até a espinha e desprovida de qualquer sentimento, uma alma rasgada mas colada com o meu próprio sangue, ninguém pode lutar as minhas batalhas nem vencer as minhas guerras mesmo que eu me rodeie dos melhores soldados. Apenas eu posso conhecer a vitória sobre mim quando a sentir ecoar nos meus ossos.

Muita gente diz que escrever irá libertar alguma parte de ti que ninguém conhece, por isso é que estou a escrever isto para apelar a mim mesma que acorde porque a minha mente está dormente e estupeficada e a razão não é por a falta de escrever ou ler. Ninguém quer ser liderado pela loucura ou pelo medo. Por estas mesma palavras eu digo me a mim mesma para reagir, eu digo, a mim mesma para levantar a cabeça e a começar a viver porque (…)

O Inverno está a chegar.