quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Aviso Ao Proprietário: O seu coração pode estar danificado, é só. Tenha um bom Natal.

  Dei por mim a reparar que quando a palavra amor vem à minha mente o meu corpo tem a reacção de se encolher perante a palavra. Será a maneira de me dizer que ainda não estou preparada para amar ou ser amada? Se for acho que ele tem razão, mas é inevitável pensar sobre o assunto porque me encontro sozinha à muito, já perdi a conta de quando tempo, sei lá, talvez um ano? 
  Apenas sei que o ano está a acabar e que provavelmente é o ultimo texto que escrevo antes do Natal e da Passagem de Ano. 
  Balanço deste ano: Mau humor matinal ainda cá está, o resto foi substituído por o amor incondicional da minha família e amigos. 
  Expectativas para o próximo: Nenhumas, apenas sei um facto sobre mim nesse ano, vou fazer 18 anos.

"Sejam felizes e boas festas" 
Raquel  

sábado, 10 de dezembro de 2011

As memórias do passado.

  Medo, angustia e um enorme sentimento de culpa, por isto ainda importar alguma coisas para mim, mas sim importa, lido com isso bem e estou realmente melhor, embora quanto olhe para os meus braços veja a história que não queria voltar a ler, apesar de ser a minha história o tempo passou e deixei as laminas para trás e respiro todos os dias de alivio por isso. E agora que vejo as marcas penso se terá valido a pena, se tu e o resto terá valido a pena tal maluquice? 
 A resposta é clara na minha cabeça agora. 

Não

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

A vida com mais MIM e menos TU (!)

  Já passei por vários graus de dor ao longo da minha vida, e agora ela foi embora. Não sinto dor nenhuma, é como se toda a história que passei não tivesse acontecido, sinto-me livre e de bem comigo mesma. Apesar de continuar a odiar grandes multidões a parte depressiva passou, agora consigo levantar-me sem pensar porque raio é que inventarão o despertador.
  Os meus amigos parecem pessoas com mais cor, os meu pais parecem pessoas a quem devo dar mais amor a minha irmã parece um pilar ao qual eu recorro e é confortável. 
  Ainda assim o carinho é algo difícil para mim, não aceito muito bem recebe-lo nem da-lo e sei que isso é injusto mas não posso obrigar a que o meu organismo esteja todo em sintonia, não por agora. É cedo. 

Aprendi a ser má contigo, mas agora encontrei a felicidade sem ti. Só peço uma coisas, não voltes para a minha vida porque já não és bem-vindo nela.

sábado, 3 de dezembro de 2011

"Como estás?" A pergunta que tem sempre uma resposta falsa. Está é a verdadeira, prometo.

  Estou como posso, um dia vou morrer e olhar para trás e ver que devia ter sido mais feliz, que devia ter rido mais, amado mais e quem merecia o meu amor. Mas agora tudo me parece banal e muitas vezes sem sentido por isso há dias que me limito a respirar e ultrapassar o dia sem mais mazelas, os meus olhos contam histórias assim como os meus pulsos, talvez as mais tristes mas as que fazem parte de mim, do que me tornei depois da tempestade. 
  Em mim guardo tudo, seja mau ou bom. Guardo todos os risos, todas as lágrimas, todos os meus amigos, todos os que me viraram costas, todas as derrotas, todas as vitoria, todos os amo-te que me disseram e todos os sorrisos quando me ouviram dizer esta mesma palavras.
  Nunca me passou pela cabeça que me pudesses fazer tão mal, mas também nunca pensei que te pudesse esquecer, e finalmente posso dizer que não te amo, que fazes parte do passado e que não voltas mais. 
  Ao dia de hoje posso dizer que me levantei com vontade, com toda a confiança em mim e toda a força que arranjei da profunda dor que passei. Neste mesmo dia posso dizer que na minha cabeça só estou eu.

Que agora posso ser feliz, é só construir a estrada.