quarta-feira, 16 de março de 2016

Pânico


Pânico é um sentimento que conheço bem e ultimamente tenho sentido, não se passa nada de errado. mas começar de novo deixa-me petrificada mesmo que seja uma coisa boa.

Ter medo do desconhecido é normal, ter medo de errar igualmente, mas não podemos deixar que as mudanças sejam assim tão assustadoras porque se não acontecerem na nossa vida vamos ficar no mesmo sitio para sempre e isso é que devia assustar mil vezes mais. Responsabilidade acontece, o tempo encima a lidar com ela e com o nosso medo de falhar, mas mesmo assim, estas palavras grandes e poderosas podem arruinar o dia.

Tenho que repetir a mim mesma que ninguém é prefeito ou que é infalível, mas também que toda a gente vai errar e que há sempre uma aprendizagem. Não gosto de sair da minha zona de conforto mas também não quero ficar petrificada nela.

O medo é grande, a responsabilidade também, mas o medo de falhar acaba quando soubermos que não há nada que nos possa fazer mal do outro lado. Mesmo que só de pensar queiramos fugir.. 

sexta-feira, 4 de março de 2016

O sistema "Ser Humano Bem Sucedido".

Nós lutamos para termos um vida "normal", composta.

O  nosso cérebro separa informação por categorias desde pequenos e há um sistema que me lembro perfeitamente ser repetido em varias conversas. O sistema "Ser Humano Bem Sucedido" é o sistema que qualifica uma pessoa ao sucesso e a uma vida completamente coordenada, se não me fala a memoria era assim que me lembro dele:

1º- Escolaridade (até ao limite e de preferência com honras) 

2º- Trabalho (inclui um salário digno dos teus estudos e regalias)

3º- Família (construir uma e ser bem sucedido ou seja que nenhum dos teus filhos falhe o mesmo sistema)

Para este sistema ser preenchido temos que suprimir ideologias, sonhos e matar qualquer criatividade e o ideal é sermos maquinas prontas para a programação. Não podes deixas os teus estudos e nem penses em deixar alguma das disciplinas a meio, porque pior que falhar e deixar de fazer; não sejas arrogante e aceita os dois anos que a empresa não te paga o que prometeu, porque pelo menos não estás a falhar com a sociedade e com as boas estatísticas do pais; nunca olhes para a tua/teu parceiro com um mínimo de ressentimento quando ele/a diz que não vales nada como pessoa enquanto de atira objectos que vão deixar marca (que tens que esconder e dizer que foi um acidente sejas mulher ou homem) e nunca deixes o teu filho/a pensar que o hobby onde ele/a é o/a melhor pode lhe trazer felicidade tanto pessoal como financeira se o tentarem perseguir como profissão. 

Não vou ser injusta porque sei que hoje em dia as coisas mudaram, as mentes estão a rachar, e o sistema está a ser provado enganoso e cheio de "mas" e isso é bom. Assim quando chegar a vez dos meus filhos e dos meus netos eu possa dizer que tenho um filho ou um neto que ganha bom dinheiro a desenhar e escrever banda desenhada mas nunca frequentou uma universidade de artes ou línguas, tem uma casa grande e um família linda.