domingo, 28 de julho de 2013

Ser livre aos meus olhos.

O normal é dizeres que não, eu disse que sim. O normal é estar mal por errar e isso pago cada pedaço de culpa, cada pontada de culpa engulo em seco e sorrio para ninguém saber que, se a vida fosse o tal julgamento eu teria que cumprir pena. 

Arrependimentos? Nenhuns. Porquê? Porque foi assim que encarei a vida. Sem nenhuns, vim do nada, para o nada vou, qual é a razão para me arrepender das asneiras do que faço aqui? Sei que o mundo não é centrado em mim mas para estar bem é assim que tem de ser. Na minha família toda o é, são os genes.

Sou livre, tão livre como vim ao mundo pela primeira vez, quero ver o mundo, quero sentir o vento todos os dias sem ter que desviar o cabelo só porque alguém pode estar a ver e achar feio. Eu sou especial, na minha maneira de ver as coisas, na minha maneira de viver as coisas, não sou especial para ser melhor que os outros, como muita gente. Eu sou especial porque querer ser livre até que alguém compreenda que nunca me pode roubar isso sem matar-me. 

Ser livre não é ter que enfrentar o mundo sozinho é olhar para ele sozinho mas com muitos olhos a olhar para ti e a desejar serem como tu. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Isto é como no Face é só meter GOSTO (!) :b